Crimes imaginários. Conheça os mais comuns

Entenda o conceito de crimes imaginários e quais os mais comuns

Entenda o conceito de crimes imaginários e quais os mais comuns

Mais comuns durante a infância, os crimes imaginários podem apresentar diferentes entre seus tipos e é fundamental conhecer a fundo suas principais características

 Vamos começar o post de hoje, aqui no blog da Arita Treinamentos, com a definição mais aceita sobre o que são os crimes imaginários. Como o próprio nome já deixa claro, são ideais inconscientes, criadas no campo da imaginação e de que nós somos responsáveis pelo sofrimento alheio. É um conceito mais frequente durante a infância, quando a criança se sente culpada pelo sofrimento de pais e irmãos. Os crimes imaginários acompanham uma falsa o até mesmo exagerada noção de responsabilidade sobre a infelicidade de pessoas próximas. Agora, para conhecer mais sobre os seus tipos mais comuns, é só continuar a leitura!

Crimes imaginários: quais são os tipos mais comuns?

  1. Suplantar: é um tipo de crime imaginário que tem início com a própria consciência da felicidade pessoal, ou seja, o indivíduo analisa seu status de felicidade e inicia uma comparação com seus familiares e pessoas próximas. Logo, a infelicidade de terceiros tem como origem o sucesso de outros.
  2. Sobrecarga: parte do sentimento que a nossa própria existência é uma sobrecarga aos nossos pais e, por isso, eles (pais) são pessoas infelizes. Um sentimento de culpa que acompanha desde os primeiros anos de vida.
  3. Roubar amor: dentre os tipos mais comuns de crimes imaginários, este merece atenção especial, pois é relacionado aos irmãos e surge quando inconscientemente a pessoa sente que o irmão não compartilha do mesmo amor por parte dos pais, que somente ela (a pessoa) recebe toda a atenção.
  4. Abandono: ideia inconsciente de que quando saímos de casa para morar sozinho, seja em outra cidade, estado ou país, ou mesmo no próprio bairro, estamos abandonando os pais que nos criaram com amor e carinho.
  5. Deslealdade: sempre que há uma divergência de pensamentos e ideias entre amigos e familiares, surge este tipo de crime imaginário, quando pensamos que a diferença de raciocínio é uma forma de deslealdade.
  6. Maldade básica: a pessoa que sente isso é levada a acreditar que há algo de errado com ela própria, como maldade e egoísmo. A mesma se sente repulsiva e não merecedora de receber amor de amigos e familiares.

Como a inteligência emocional pode ajudar?

Os crimes imaginários são manifestações mentais e, por isso, podemos trabalhar estratégias para derrubar as barreiras emocionais que possam ter provocada tais gatilhos. É neste cenário que os treinamentos de inteligência emocional ganham força e apresentam resultados positivos em prol de uma vida mais feliz e equilibrada. E outra boa notícia é que você sabe que pode confiar na Arita Treinamentos, uma empresa com mais de 30 anos de know-how no mercado. Não perca mais tempo: fale com um dos nossos especialistas.

ARTIGOS RELACIONADOS