6 formas de desenvolver o autoconhecimento | Arita - Treinamento de Inteligência emocional

6 formas de desenvolver o autoconhecimento

Conhece-te a ti mesmo.

Essa é uma das passagens mais emblemáticas e conhecidas de Sócrates, o filósofo grego, que foi o divisor de águas na filosofia antiga. Sócrates ensinava que as pessoas devem ocupar-se menos com as coisas, como riqueza, fama e poder, e ocupar-se mais em cuidar de si mesmo. O filósofo afirmou que tratando o ser humano de prestar mais atenção em si, ele irá mais facilmente ao encontro da verdade. E que essa verdade, que ele também chamou de “estado de iluminação”, fará com que ele se conheça melhor. E a medida que se conhece mais, terá condições de modificar sua relação consigo, com os outros e com o mundo. Ou seja, a chave da felicidade está no autoconhecimento! Mas, afinal, o que fazer para que possamos nos conhecer profundamente? Aí vão algumas dicas para te ajudar nessa intensa e importante jornada:

1 – Praticar a auto-observação
Muitos de nós vive os dias no piloto automático. São tempos muito atribulados, corridos, cheios de tarefas. Acostumamo-nos a rechear a vida de atividades e o bordão “estou sem tempo” é resposta constante. Para que possamos nos conhecer, de verdade, é preciso cessar. Pare! Acalme-se e observe-se. Olhe para você, veja suas atitudes, analise suas sensações, veja onde é que o calo aperta, descubra o que lhe dá prazer. Com este primeiro passo na direção de se conhecer, as próximas metas serão mais fáceis e fluidas.

2 – Desenvolver a humildade
A humildade é uma das virtudes que mais nos aproxima de nós mesmos. E como é difícil de colocá-la em prática. Isso por que quase sempre temos a tendência de associar a humildade com submissão, pobreza e inferioridade. No entanto, humildade é sentimento dos mais nobres. Ela tem a ver com gentileza, com distinção e com simplicidade. A medida que vamos desenvolvendo cada vez mais a humildade, valorizamos nossos esforços pessoais sem nos comparar com os outros. E isso, automaticamente, é uma forma eficaz para nos conhecermos, pois evidenciaremos nossos potenciais mais autênticos.

3 – Questionar-se
Como saber o que é certo e o que é errado se não perguntar? Questione-se. Faça perguntas. Interrogue você mesmo. Quem sou eu? Quais são meus valores? Do que eu gosto? Do que não gosto? O que me faz feliz? O que me deixa triste? Quais são meus sonhos? Faça muitas, muitas, muitas perguntas. Elabore questões fáceis e difíceis, simples e complexas. E seja sincero em responder todas, sem verdades absolutas de certos e errados. Apenas responda com franqueza. É provável que muitas dessas perguntas não tenham ainda uma resposta, tudo bem, faz parte do seu processo de autoconhecimento. Começar é o principal neste momento. Então, bom questionamento pra você!

4 – Compartilhe suas reflexões
Falar é elaborar questões internas. Os pensamentos são como fios emaranhados dentro de nós. Você sabe que o novelo todo está ali, mas não sabe onde está a ponta para desenrolar. A linguagem é que dá sentido a tudo, por isso falar sobre suas questões internas e suas descobertas é um aliado e tanto para se conhecer mais. Isso por que quando falamos conseguimos elaborar racionalmente e de forma linear os pensamentos. Fale com um amigo, fale com sua esposa, fale com sua mãe, fale com seu terapeuta. Escolha bons ouvidos e bote a boca no trombone!

5 – Esteja pronto para desconstruir
Deixe vir abaixo conceitos, ideias, crenças, ideologias. Esteja pronto para sacudir suas estruturas. Escute novas opiniões, reflita sobre seus “achismos”, avalie suas condutas, reveja suas atitudes. E se achar que elas não fazem mais sentido, desconstrua! Não que isso seja fácil, muito pelo contrário. Acho esse um dos exercícios mais difíceis de quando entramos no processo do autoconhecimento. Isso porque, quebrar tem a ver com a morte, com o deixar ir, com o enterrar. E temos uma tendência do oposto: temos a necessidade de acumular, de guardar, de represar. Aprender a soltar é tarefa árdua, porém libertadora. Experimente!

6 – Faça listas sobre você
Pegue um papel e uma caneta e comece a fazer listas sobre você. Você pode categorizar as listas, como por exemplo lista de qualidades, de fraquezas, de sonhos, de coisas que te incomodam, coisas que você gosta e por aí vai. A medida que você vai colocando no papel novas coisas surgirão na cabeça e você vai se surpreender com a quantidade de coisas sobre você mesmo que estavam escondidas. Este exercício é uma ótima forma de você conduzir uma reflexão profunda sobre você mesmo.

ARTIGOS RELACIONADOS